19
Mar 14

Climate Changes
During the late VERY LATE MATE ....Pleistocene, the retreat of the Wisconsin ice sheet caused
global climate changes and changes in local AND GLOBAL ENVIRONMENTS .

Temperatures became less homogenous, as winters became colder and summers became
hotter.AND THE PORTUGUESE PETROL THE GREEN PETROL BURN'S EASILY 

Essentially, seasonality increased.
In addition, rainfall became more variable depending on the season, IN MARCH 2014 TEMPERATURES

ARE HIGHER THAN AVERAGE with distinctions between wet and dry seasons THEY ARE DRY ...BUT WHO KNOW'S

 

.During the deglaciation,many streams in the glacial floodplains experienced net degradation
and incision of their channels, and the water tables lowered, causing low order
streams to become sporadic and transient and springs to dry up or significantly reducedischarge 
As a result of this climatic shift, several changes occurred.

Some primary habitats were eliminated, while others
that may have been only marginal during THE GREAT PIB INCREASE OR GDP INCREASE ARE FINE

LOGO A BRUXA DE ALFORNELOS DIZE QU'ESTAMOS FINOS NA ESTAMO, JÁ NA CARRIS....

 

Wednesday, March 19, 2014 .....Which is better, data or theory?


One of the most annoying arguments that I see popping up again and again is the question of "Which is better, theory or data?" (A related bore-fest is "Which is better, induction or deduction?") Actually, you can't have one without the other. In a recent blog post, Paul Krugman points out that you can't have data without theory:
But you can’t be an effective fox just by letting the data speak for itself — because it never does. You use data to inform your analysis, you let it tell you that your pet hypothesis is wrong, but data are never a substitute for hard thinking. If you think the data are speaking for themselves, what you’re really doing is implicit theorizing, which is a really bad idea (because you can’t test your assumptions if you don’t even know what you’re assuming.)
True. Suppose you find a correlation between having an unfulfilling sex life and liking Charlie Kaufman movies. Does that mean that people watch Charlie Kaufman movies to ease the pain of their lame sex lives? Or did the fact that they watch Charlie Kaufman movies actually ruin their sex lives? Or are both the result of some third factor, such as being an insufferable hipster? If you don't pick one, you'll never be able to understand what's really going on. Even if all you care about is predictive power - you want to be able to catch someone watching a Charlie Kaufman movie and say "I bet girls won't touch that guy with a 10 foot pole" - you still need to assume that the correlation is stable over time, and your assumption is a theory. 
It's equally true that you can't actually have theory without data. A theory is always about something that you think is going on in the world, so you can't have something to theorize about without first seeing something happen in the world (i.e. data). For example, suppose my theory - which I deduced from some sort of a priori assumptions - is that watching Charlie Kaufman movies ruins one's sex life. I couldn't have made that theory without observing the existence of Charlie Kaufman movies.
So just as "data with no theory" is really just an implicit vague theory, "theory with no data" is really just sparse, unsystematic data. You can't have one without the other. 
But what you can do is be lazy with theory or be lazy with data. You can be an armchair philosopher, dreaming up ideas about how the world works without ever bothering to find out if your ideas are right. Then you get something like this:
Or you can be a "regression monkey", sitting there sifting for correlations without having any idea what you're looking at. Then you get something like this:
Obviously, if you're going to get good results, you shouldn't do either of these.
But which is a bigger menace to society, laziness about data or laziness about theory? Theory-laziness is seductive because it's easy - mining for correlations isn't very mentally taxing. But data-laziness is seductive because it's hard - the more complicated and intricate a theory you make, the smarter it makes you feel, even if the theory sucks.
In the past, data-laziness was probably more of a threat to humanity. Since systematic data was scarce, people had a tendency to sit around and daydream about how stuff might work. But now that Big Data is getting bigger and computing power is cheap, theory-laziness seems to be becoming more of a menace. The lure of Big Data is that we can get all our ideas from mining for patterns, but A) we get a lot of false patterns that way, and B) the patterns insidiously and subtly suggest interpretations for themselves, and those interpretations are often wrong.
So anyway, I hope this post destroys all of those "data vs. theory" arguments forever and ever. 
  1. Absolutely wonderful post--should be required reading for all undergrads.

    In the arts and humanities, data laziness is still very common, because any attempt to quantify these outputs is considered gauche, insensitive, or ham-fisted (adjectives often found in the first few paragraphs of lit theory papers).

    Reply
    Replies
    1. data is better....data is a android ergo is better than,,,,repeat the question please...
      Spiner reprised his role of Data in the Star Trek: Enterprise series finale ... from B4 into a new body which contained the memory engrams of Data's creator

      mountain's less pressure of o2 

      no the pattern's don't exist 

      this is a chaotic universe

      data big or small is observator dependent

      observation of data is dependent of quantum physics

      ALL SYSTEMS ARE QUANTUM SYSTEMS 

      associal or social ones too...

      Information and correlation[edit]
      It is generally well established that any quantum mechanical measurement can be reduced to a set of yes/no questions or bits that are either 1 or 0.[citation needed] RQM makes use of this fact to formulate the state of a quantum system (relative to a given observer!) in terms of the physical notion of information developed by Claude Shannon. Any yes/no question can be described as a single bit of information. This should not be confused with the idea of a qubit from quantum information theory, because a qubit can be in a superposition of values, whilst the "questions" of RQM are ordinary binary variables.
      Any quantum measurement is fundamentally a physical interaction between the system being measured and some form of measuring apparatus. By extension, any physical interaction may be seen to be a form of quantum measurement, as all systems are seen as quantum systems in RQM. A physical interaction is seen as establishing a correlation between the system and the observer, and this correlation is what is described and predicted by the quantum formalism.
      But, Rovelli points out, this form of correlation is precisely the same as the definition of information in Shannon's theory. Specifically, an observer O observing a system S will, after measurement, have some degrees of freedom correlated with those of S. The amount of this correlation is given by log2k bits, where k is the number of possible values which this correlation may take — the number of "options" there are.
      All systems are quantum systems[edit]
      All physical interactions are, at bottom, quantum interactions, and must ultimately be governed by the same rules. Thus, an interaction between two particles does not, in RQM, differ fundamentally from an interaction between a particle and some "apparatus". There is no true wave collapse, in the sense in which it occurs in the Copenhagen interpretation.
      Because "state" is expressed in RQM as the correlation between two systems, there can be no meaning to "self-measurement". If observer O measures system S, S's "state" is represented as a correlation between O and S. O itself cannot say anything with respect to its own "state", because its own "state" is defined only relative to another observer, O'. If the S+O compound system does not interact with any other systems, then it will possess a clearly defined state relative to O'. However, because O's measurement of S breaks its unitary evolution with respect to O, O will not be able to give a full description of the S+O system (since it can only speak of the correlation between S and itself, not its own behaviour). A complete description of the (S+O)+O' system can only be given by a further, external observer, and so forth.
      Taking the model system discussed above, if O' has full information on the S+O system, it will know the Hamiltonians of both S and O, including the interaction Hamiltonian. Thus, the system will evolve entirely unitarily (without any form of collapse) relative to O', if O measures S. The only reason that O will perceive a "collapse" is because O has incomplete information on the system (specifically, O does not know its own Hamiltonian, and the interaction Hamiltonian for the measurement).

publicado por tstopps às 18:47
sinto-me: FINO WE ARE FINE

03
Mar 14
um bloque de missatges sem significado e pedantes como o carago se los putogoeses se substituiran.... per etiquetes individuals ganhávamos algo ou...no? crear putogoeses enllaços no apareixerà en aquests queques? no rastrejar-lo enterra-lo...
dilluns, 3 març de 2014
SILENCIOSO E BRANCO COMO A BRUMA E DAS BOCAS UNIDAS FEZ-SE ESPUMA .....VINICIUS DE MORAES
dilluns, 3 març de 2014
QUE O OPERÁRIO FAZ A COISA E A COISA FAZ O OPERÁRIO - O OPERÁRIO EM CONSTRUÇÃO É UM FACTO EXTRA-ORDINÁRIO : OLHOU EM TORNO : GAMELA/BANCO ENXERGA CALDEIRÃO VIDRO PAREDE JANELA CASA CIDADE NAÇÃO TUDO TUDO O QUE EXISTIA ....ERA ELE QUEM O FAZIA...
Era ele que erguia casas
Onde antes só havia chão.
Como um pássaro sem asas
Ele subia com as casas
Que lhe brotavam da mão.

Mas tudo desconhecia
De sua grande missão:
Não sabia, por exemplo
Que a casa de um homem é um templo
Um templo sem religião

Como tampouco sabia
Que a casa que ele fazia
Sendo a sua liberdade
Era a sua escravidão.

De fato, como podia
Um operário em construção
Compreender por que um tijolo
Valia mais do que um pão?

Tijolos ele empilhava
Com pá, cimento e esquadria
Quanto ao pão, ele o comia...
Mas fosse comer tijolo!
não era tolo
ninguém mata a fome
quando tijolo come
E assim o operário ia
Com suor e com cimento
Erguendo uma casa aqui
Adiante um apartamento
Além uma igreja, à frente
Um quartel e uma prisão
:
Prisão de que sofreria
Não fosse, eventualmente
Um operário em construção.
Mas ele desconhecia
Esse fato extraordinário:

Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
De forma que, certo dia
À mesa, ao cortar o pão
O operário foi tomado
De uma súbita emoção

Ao constatar assombrado
Que tudo naquela mesa
- Garrafa, prato, facão -
Era ele quem os fazia
Ele, um humilde operário,
Um operário em construção.
Olhou em torno: gamela
Banco, enxerga, caldeirão
Vidro, parede, janela
Casa, cidade, nação!

Tudo, tudo o que existia
Era ele quem o fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.

Ah, homens de pensamento
Não sabereis nunca o quanto
Aquele humilde operário
Soube naquele momento!
Naquela casa vazia

Que ele mesmo levantara
Um mundo novo nascia
De que sequer suspeitava.
O operário emocionado
Olhou sua própria mão
Sua rude mão de operário
De operário em construção
E olhando bem para ela
Teve um segundo a impressão
De que não havia no mundo
Coisa que fosse mais bela.
Foi dentro da compreensão

Desse instante solitário
Que, tal sua construção
Cresceu também o operário.
Cresceu em alto e profundo
Em largo e no coração
E como tudo que cresce
Ele não cresceu em vão
Pois além do que sabia
- Exercer a profissão -
O operário adquiriu
Uma nova dimensão:

A dimensão da poesia.
E um fato novo se viu
Que a todos admirava:
O que o operário dizia
Outro operário escutava.
E foi assim que o operário
Do edifício em construção
Que sempre dizia sim
Começou a dizer não.


E aprendeu a notar coisas
A que não dava atenção:

Notou que sua marmita
Era o prato do patrão
Que sua cerveja preta
Era o uísque do patrão
Que seu macacão de zuarte
Era o terno do patrão
Que o casebre onde morava
Era a mansão do patrão
Que seus dois pés andarilhos
Eram as rodas do patrão
Que a dureza do seu dia
Era a noite do patrão
Que sua imensa fadiga
Era amiga do patrão.
E o operário disse: Não!
E o operário fez-se forte
Na sua resolução.

Como era de se esperar
As bocas da delação
Começaram a dizer coisas
Aos ouvidos do patrão.
Mas o patrão não queria
Nenhuma preocupação
- "Convençam-no" do contrário -
Disse ele sobre o operário
E ao dizer isso sorria.
Dia seguinte, o operário
Ao sair da construção
Viu-se súbito cercado
Dos homens da delação
E sofreu, por destinado
Sua primeira agressão.
Teve seu rosto cuspido
Teve seu braço quebrado
Mas quando foi perguntado
O operário disse: Não!
Em vão sofrera o operário
Sua primeira agressão
Muitas outras se seguiram
Muitas outras seguirão.
Porém, por imprescindível
Ao edifício em construção
Seu trabalho prosseguia
E todo o seu sofrimento
Misturava-se ao cimento
Da construção que crescia.
Sentindo que a violência
Não dobraria o operário
Um dia tentou o patrão
Dobrá-lo de modo vário.
De sorte que o foi levando
Ao alto da construção
E num momento de tempo
Mostrou-lhe toda a região
E apontando-a ao operário
Fez-lhe esta declaração:

- Dar-te-ei todo esse poder
E a sua satisfação
Porque a mim me foi entregue
E dou-o a quem bem quiser.
Dou-te tempo de lazer
Dou-te tempo de mulher.
Portanto, tudo o que vês
Será teu se me adorares
E, ainda mais, se abandonares
O que te faz dizer não.

Disse, e fitou o operário
Que olhava e que refletia
Mas o que via o operário
O patrão nunca veria.
O operário via as casas
E dentro das estruturas
Via coisas, objetos
Produtos, manufaturas.
Via tudo o que fazia
O lucro do seu patrão

E em cada coisa que via
Misteriosamente havia
A marca de sua mão.
E o operário disse: Não!

- Loucura! - gritou o patrão
Não vês o que te dou eu?

- Mentira! - disse o operário
Não podes dar-me o que é meu.

E um grande silêncio fez-se
Dentro do seu coração
Um silêncio de martírios
Um silêncio de prisão.
Um silêncio povoado
De pedidos de perdão
Um silêncio apavorado
Com o medo em solidão.
Um silêncio de torturas
E gritos de maldição
Um silêncio de fraturas
A se arrastarem no chão.
E o operário ouviu a voz
De todos os seus irmãos
Os seus irmãos que morreram
Por outros que viverão.
Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
Publicat per Para a Posteridade e mais Além
Etiquetes de comentaris: HÁ BOAS E MÁS MORAES E MORALISTAS IMORAIS E LISTAS DE FADISTAS BRUTAIS E BOÇAIS OU BUIÇAS? CON FUNDO SEM
publicado por tstopps às 20:52
sinto-me: NUMA INFUSÃO

24
Jun 13
Montag, 24. Juni 2013
ESTRIBILHOS PARA O VAZIO OU PARA OS VAZIOS ENTRE A BÓFIA NA MANIFE ALUCINANTE COM ROCINANTE E COM HASH-ELES NÃO SABEM NEM SONHAM E NÓS AINDA MENOS -I AIN'T GOT NO HOME IN THIS WORLD NEM HAXIXE TALVEZ É A VELHA HISTÓRIA DUM PEDRO SEM INÊS
Na Sociedade disfuncional
é fatal
na plateia ou na geral
surgir de quando em vez
pensamento racional
ou racionado pra três
e no geral
nesse reino dos porquês
é normal
ou anormal
talvez
existir um profano
sem boa tenda
nem melhor pano
que entenda
meio insano
que o fanum é ufano
e responda ao freguês
e na loja poderosa
surge prosa
dum tal pedro sem inês
que vibra em glosa
e só goza
uma vez
em mau português
de vez em quando
ou de quando em vocês
nesse mando
de altivez
em que o quando é talvez
e o talvez é um manto
de porquês
nesse manto não de santo
nem sequer de amianto
mas só manto por enquanto
de quebranto
e sem pedros nem inês
numa idade sem porquês
de quando em vez
publicado por tstopps às 21:44
tags:

31
Mai 13

A MISSÃO ADMISSIONÁRIA É DEMISSIONÁRIA

 

 

MENSAGEM AO ENCONTRO DUMA AULA QUALQUER

fredag den 31. maj 2013

E DA NÉVOA SAIRAM NÓDOAS EM FORMA DE GENTE E GENTE EM FORMA DE NÓDOAS ESTAMOS CONVOSCO DISSERAM AS NÓDOAS E AS GENTES EM NÓDOA FEITAS A MENSAGEM É NOSSA E VOSSA ENVIAMOS-TE MENSAGEM AO ENCONTRO DA AULA MAGNA

E DA NÉVOA SURGIRAM NÓDOAS NAS MENSAGENS

E MENSAGENS EM NÓDOAS

em vez da estafadinha Mensagem enviada na garrafa

ou mesmo da Mensagem enviada com a garrafa quase vazia

ou mensagem enviada com sucesso

ou mensagem enviada para o espaço

temos a tal de mensagem enviada ao encontro de uma aula

é a crise em MAIÚSCULAS ou MAI us CU LÁS

MENSAGEM ENVIADA AO ENCONTRO DA AULA MAGNA

Caro Presidente Mário Soares, apesar de não ser já presidente de merda nenhuma, nem grão-mestre de loja em sabática, trato-o por Caro pois é caro, foi caro e será caro e por presidente para não confundir com senhor professor doutor, o que poderia dar azo a confusões ou con fusões
Viva Portugal

Não há casos de presidência eterna excepto a do presidente rei, presidente antes do parto, presidente durante o parto e presidente após o parto

Não podendo estar presente, dada a hora tardia e a falta de estado social que me transporte, junto com o passe social, nesta iniciativa, iniciativa que é clara a todos, LIBERTAR PORTUGAL de quem? também é claro dos que não são das igrejas, dos que não são militares e dos que não são das classes médias em vias de desaparecimento, por amor aos que serão LIBERTADOS DOS RESTANTES...VIVA PORTUGAL apoio o seu objectivo de contribuir para  combater a “inevitabilidade”  pois a inevitabilidade é evitável

inevitabilidade do quê? ora essa a do empobrecimento em que nos querem colocar, matando a política e as suas escolhas, sem as quais não há democracia, quando um barco se afunda há que poder votar quem se afunda e quem vai nos botes..é democrático

Ora o seu objectivo de contribuir é louvável, qual é o objectivo?
CONtribuir
Com quê? Não Interessa um objectivo deve ser vago
Para quê?
Para a combater a inevitabilidade
Uma espécie de demanda do Santo graal do século XXI

Gostaria no entanto de, por seu intermédio, expressar com mais detalhe a minha posição

A ideia de que para alguém dum fanum, para um social-fanático mas não muito,
lhe caem os parentes na lama por estar aqui, apesar de não ter vindo, ou apenas me ter vindo virtualmente só tem sentido para quem esqueceu, ou nunca aprendeu ou não percebeu o que o messias queria dizer com as suas parábolas e hipérboles enfim para quem é falho de memória, insisto explicitamente, explicitamente insisto
contrariando o que sempre ou ao que sempre, tanto faz explicitamente, insisto,  explicitamente, o nosso Messias Sá Carneiro disse: que os sociais democratas em Portugal não são a “direita”. E esqueceu também o que ele sempre repetiu: de que acima do partido e das suas circunstancias, está Portugal.
A Bem Da NaçãO estamos consigo
já meti sigo no facebook ou noutro lado qualquer

Não estive para me maçar a ouvi-lo pois de discursos de merda que nada dizem já são mais de 40 anos deles, mas em espírito ou no Second Life estou consigo e com a minha mensagem enviada à aula Magna, explicitamente, insisto estou aí ,pode é não me ver, pois pertenço às classes médias que já desapareceram...

Consigo, a combater a inevitabilidade, sentadinho na poltrona com cognac e charuto

publicado por tstopps às 17:59
sinto-me: SINTO SHINTO
música: MASSAGE COM A BOTTLE

22
Mai 13

 

 

 


Primeiro ou segundo, há algo de profundamente errado num país, onde uma Quarentona é considerada jovem e onde tirando esse puto de 16 anos a estragar a média de 33,33 anos dos ditos jovens já cheios de brancas e de carecas na tola.

terceiro ou quarto, há algo de incapaz num povo cuja oposição elege como uma trindade ou tríade ou outro termo das máfias de leste como responsável por todos os males de um país, ao estilo hitleriano dos judeus

e um governo cujos apoios são tão baixos, que tem de bater numa velha senil vítima de progéria precoce desde que entrou na nomenclatura partidária, que nem sequer é capaz de mostrar as tetas (ao estilo ucraniano ) ao miúdo para o calar...

Logo nem a tal de tríade estilo troika de trenó russa, é o diabo encarnado, nem sequer são os santos credores de portugal, mas uma comissão mal amanhada numa europa e num FMI americano-europeu que já perdeu o controle económico do mundo vai para 40 anos mas qual Mário Soares gágá, vai aparecendo aos árabes e a outros escurinhos para dizer que ainda tem RELEVÂNCIA ou DOMINÂNCIA ou DOMINATRIXIA uma dessas

e um governo com um Gaspar estylo Sócrates que quando devia falar não fala
e quando Fala fala demais e só diz parvoíces

e tirou aquilo um curso de economia

já agora algo muito mau vai nas oposições grandoleiras ou que só sabem dar uns risinhos histéricos em vez de mostrar as mamas ou os cus ao estylo da geração rasca

Que as oposições tal como os governos são formadas por imbecis, isso já sabíamos, mas podiam disfarçar melhor por amor de FátimA filha de Maomé
publicado por tstopps às 00:02

19
Fev 13
SOMOS UM PAÍS COM MUITOS PAIS MAS SEM ESTRATÉGIAS NEM PLANOS QUINQUENAIS QUE DUREM 5 MINUTOS

VIVEMOS TERNA E ETERNAMENTE DE EMPRÉSTIMOS PRÉSTIMOS E DE FALÊNCIAS INDUSTRIAIS DESDE OS ANOS 70

SUB-DESENVOLVIDOS FRATRICIDAS E TRIBAIS COMO OS LÍBIOS MAS COM MENOS PETRÓLEO

DIVIDIDOS IDEOLÓGICAMENTE COMO OS SÍRIOS MAS COM IDEOLOGIAS E LOGGIAS AINDA MAIS PARVAS

SÓ SOMOS UNIDOS NUMA LÍNGUA CONSERVADORA COMO O PENSAMENTO DA PATULEIA

QUE NÃO ADMITE UMA CEDILHA MUDADA OU UMA MUDANÇA TEMPORÁRIA DE ARES

SÓ ARES DE MUDANÇA NA CONSTÂNCIA DE CIDADES ENDIVIDADAS E ENVELHECIDAS

QUE QUEREM À FORÇA SER VILAS MARAVILHAS...

ONDE POVOS EXTINTOS ORDENAM OU ORDENHAM AS ALMAS DOS ESPECTROS DÉBEIS MENTAIS

QUE CALCORREIAM AS SUPERFÍCIES

Era para Pôr grupo Coral de São Bento mas a modera a são não leixa

1º Quem canta em 2013 cousas dum passado morto, é duma pobreza mental tão grande que acha zeca afonso um poeta imortal um bardo extra ordinário que mesmo desafinado cai bem no século XXI ou XXII, mesmo que a vila seja cidade e que o povo nunca tenha ordenado nada dentro ou fora dela, antes ou depois de 1974, ou é um velho sexagenário ou não gosta dos Ramstein ou não vai ao concerto do Bieber patrocinado pelo genro do cavaquismo

tal e qual como o Governo, Relvas é o scape goat por excelência, é o tino de rans do PSD, se não percebeu ou fingiu não perceber que o verdadeiro significado do que se estava a passar à sua volta é a criação duma espiral depressiva na já depressiva alma do fadistão salazarista que se encanta com as palavras que aparentemente são armas de desmoralização.

Quem canta "Grândola", hontem,hoje e amanhã, Fevereiro de 2013, ou idos de Março de 44 antes do messias com cruz, ou no Verão quente do ano 2060, num país depressivo por natureza, abrutalhado e tão escasso em ideias que bolsa velhos ramerrames e esquece facilmente os novos hinos do século XXI

se o país tem mais ou menos de um milhão de desempregados, ou mais de 750 mil que excedem os 75
entre os 3 milhões de pensionistas dos 55 aos 104 anos, pouco importa, se esse milhão ou os outros 3 estão sem esperança, nem confiança, tal deve-se à pobreza dos governos, das oposições e das élites bacocas e pouco inovadoras em quaisquer termos, inclusive musicais.

Somos um povo de maníacos-depressivos dum conservadorISMO EXtremo e mesmo que houvesse luz no topo do poço diríamos que eram trevas...

O facto de sermos um povo de gente estúpida revela-se na analogia tunelar, do tonel de carrascão, ou do túnel rodoviário com que se perfurou a mátria, a pátria e a frátria, se nada que se pareça com uma luz no fundo do buraco existente há décadas que todos juram ser túnel, tal deve-se à menoridade de um povo assolapado pelo estado paternalista salazarista que ou se agarrou às saias ou se tornou independente da nação dando à sola

se a patuleia está a dar sinal de uma nova revolta ou de uma velha revolta que cresce falicamente ou intumesce como a teta estatal e que se sabe onde irá parar....ao mesmo fim de todas as revoluções
a um país dividido e mais pobre que anseia por estabilidade ou a um país que colapsa e necessita de ajuda externa como o Portugal de 1820 a 1974 e anos seguintes, ou a síria ou a líbia de 2011 a 20??


Cantar "Grândola" é uma forma atavística de protesto tal como cantar Fernando Lopes Graça ou outra Deolinda fadisteira do passado, até desafinada em são bento ou noutra merda de santo qualquer poderá ser mais suave do que atirar pedras ou queimar carros, ou matar as baratas tutsi que nos tornaram pobres à catanada ao estylo dos pais de Beja, mas nem por isso o seu significado pode ser menos aloucado.



é um peso do passado que nos remete parA a falta de horizontes e para uma especialização em papel selado e contas de vidro para dar novos mundos a um mundozinho tão limitado como os novos e velhos mundos que se dão em metáforas e metafodas
publicado por tstopps às 23:27
sinto-me: ÉS TU PÉ FACTO OU FACTUM OU FÁ

18
Set 12
2012 m. rugsėjis 16 d., sekmadienis
É PRECISO QE TUDO MUDE NO ALMUDE PARA QUE A ARÁBIA FELIZ OU INFELIZ TALVEZ SEJA GREGA OUTRA VEZ
No Samba do Ipiranga
No grito na Corda bamba
Nesse grito feito Samba
nesse grito que se manga
desta mudança vazia,
morre em lenta agonia
a res púbica que é cracia
e alberto lança o grito
esse grito da mania
que se fez terno mitho
assi haverá mudança
creada pelo tal grito

grito que nunca cansa

e que trará a mudança
num momento num só dia
que a vista não alcança
mas alcança a histeria

No Samba do Ipiranga
Alberto soltou o grito
grito que põe canga
nesse samba feito Ritto
Alberto sopra o apito
e o samba lá avança
no povo feito em grito
é só ares de mudança
neste país sem atrito
que no Ipiranga dança
e se afunda aflito
no grito mudo
que nos muda
mudando tudo
é a taluda
do nosso entrudo
o grito mudo
que nos esmaga
vaga a vaga
e cai no ouvido
sem qualquer ruído


Alberto que és feitiço
gordura que és derriço
gordura de nosso estado
no Ipiranga empanado
no Ipiranga atolado
num só grito
grito bendito
é Ipiranga o Fado?
Nesse grito de Ipiranga
Sem atrito
Que aos vivos não zanga
assi está escrito
no tal samba
no tal grito
publicado por tstopps às 00:50
sinto-me: om dor d'corno

15
Set 12
Não nos trouxeram até aqui

Sempre estivemos aqui, na beira do abysmo

Nunca nos importámos com isso

pois era na beira do abysmo occidental en fio dental

que havia comidinha e recursos para esbanjar

e obviamente seria eterno

quer o mundo tivesse 4 mil milhões ou 7 mil milhões

nós sempre dominariamos

only western civilization prevail

only Mad Dogs and Englishmen

go out in the mid day sun

The natives grieve when the white men leave their huts,

Because they're obviously, absolutely nuts

Mad dogs and Englishmen go out in the midday sun.
The Japanese don't care to, the Chinese wouldn't dare to,

Os lémingues são fanáticos políticos

Que acreditam que encontrarão outro novo abysmo

de onde saltar

do outro lado do mar..

é a fé ideológica que move os lémingues

a ideologia vossa ou de signal contrário

dirá sempre que viver no abysmo é bom

e saltar dele é a solução para todos os problemas

ide ide e nadai depressa

para atingirdes o paraíso



é a fé que os move eternamente na busca do abysmo perfeito
publicado por tstopps às 01:42

24
Ago 12
NO DESERTRISTÃO DO CAVA QUINDÁ QUISTÃO?
De Todas Nos seus traçados Rápidos e SuperV de JANEIRO AO APOCLIPSO DO NATALE
Foram Vias de Desertificação Rápidas

Vias de Desertificação Económica, Demográfica e Energética

Foram também vias para o Super-Déficite
E cemitérios rodoviários dos Super-Ávites Mithológicus

A Prova? Faço-a já aqui Em Baixo
Até a posso fazer para o Tramagal ou o Rosmaninhal
Ou a Sertã dos Infernos
Ou até a Panasqueira dos Panasqueiros
A Urgeiriça dos Urgeiriços
De Campo de Jales à Paneleira dos Piços...



De AUTO-ESTRADAS QUE DESERTIFICARAM O AUGUSTO

DESERTO?

AS PESSOAS aproveitaram a via rápida para fugirem das suas vidinhas ilhadas nas ilhas deixadas para trás pela via a cem à hora é o progresso


De AS VIAS DE COMUNICAÇÃO SÃO VIAS DO VAZIO a 24 de Agosto de 2012 às 15:58
Pois essas vias rápidas, como o mostrou o sonho americano, o carro leva à evasão, os lugares que ficam perdidos, a estrada 66, levou a contornar cidades e inventou o subúrbio.

MUITAS CIDADES MORTAS SÃO O TESTEmunho dessas auto-estradas que mataram vilas e esvaziaram os velhos restaurantes-Estalagens à beira da estrada, assi aconteceu com a velha estação de pegões gare e as suas paragens de camionistas, assi se foram metade dos restaurantes da estrada do Zêzere-Castelo Branco
e nem vale a pena falar dos cafés serrenhos
Ou da terreola do actual Presidente da República, toda uma rede de pequenas estalagens-cafés algumas delas centenárias destruídas pelas auto-estradas

AO CONTORNAREM OS VILAREJOS levaram à falência dos restaurantes e cafés das bombas de gasolina, dos pequenos botecos de venda de verduras e água e das pequenas mercearias e padarias caseiras que alimentavam as 200 ou 300 almas em redor que se exportaram lentamente pelas auto-estradas fora

E com as AUTO-Estradas nasceu o vazio

Não nasce ninguém para substituir o excesso de mortos mas criam-se dezenas de milhares de hectares de subúrbios à beira de vias rápidas, são as Novas-Novas
Há uma nova-Beja nascida das melhorias da estrada
Évora Portel Beja

E muito mais obviamente as linhas de montagem de construção civil seguiram-se às grandes obras rodoviárias, o Lisboeta com raízes e 2ªcasa no Alémptejo, no ALL Garbe e noutros montes atrás e adiante
6 milhões de casas e 10 milhões e meio de gentes
Obviamente se a casa tava longe da auto-route
era uma casa fatela né...

De Nascido atrás dos montes... a 24 de Agosto de 2012 às 15:42

Oliveira de Azeméis, Vinhais, Unhais, Aldeia dos Carvalhos, Tortosendo, toda a serra algarvia, milhares de sítios necessitados de centros culturais, cine-teatros às moscas, piscinas para o Verão, apoio a idosos todo o ano, juntas de freguesia de 2 milhões de euros, centros de pesquisa de notícias nos jornaes sobre o burgo, desde os 3000 euros aos 156 mil do Oporto
Centros de biodiversidade, que quando chega o verão é não acabaram com a biodiversidade a mais e ela pegou fogo.
Pois...moitas

os armazéns nos arredores dos burgos abandonados migraram para as proximidades da auto-estrada

os silos de cereais os armazéns de maquinaria agrícola desertaram a velha estrada de ferreira mesmo depois de ela ficar mais nova

Resta Mimosa e Canal Caveira como nós de paragem rodoviária
Já ninguém para em Ferreira do Além Tejus para uma sandocha de carne assada

Nem Para em Vendas Novas ou Montemor como parava dantes, pois a auto-estrada matou dúzias de locais de paragem entre estes dois nós rodoviários

E isto é extensível a todo o país
Matou muita agricultura de subsistência que vendia legumes aos grossistas que iam enchendo os camiões na direcção dos pontos de desembarque das vitualhas

A auto-estrada agigantou os subúrbios das capitaes de distrito e dos nós rodoviários remanescentes

e extingui todo o resto...é simplex
é estúpido mas é por isse qué simplex...
publicado por tstopps às 16:51
música: square bob

23
Jun 12
2012, ജൂണ്‍ 22, വെള്ളിയാഴ്ച
QUANDO OS DEUSES E DEUSAS DO Ó LIMPO JOGAM AOS DADOS COM NOSSAS VIDAS INFRA-ORDINN ÁRIAS
O EURRO DE TER EURROS

OU O EURRO DE TER DÓLARES EM VEZ DE YUAN'S

É REAL PARA A MARALHA SEM REAIS

É NORMAL TER CONTAS EM FRANCOS SUISSOS E SUI SS INHO'S

PARA AQUELES DEUSES E DEUSAS COM EXTRA-ORDINN ÁRIAS VIDAS

QUE NÃ SE PREOCUPAM COM A PIOLHEIRA DE TER JUROS

QUE CON PENSEM IN FLEXÕES IN FLA CIO REACIONÁRIAS

ISTE É TUDO ÁRIAS

SOMOS UM PAYS DE OPHERAS BUFFAS

E DAS MAL CHEIROSAS



പോസ്റ്റ് ചെയ്തത് 0 അഭിപ്രായ(ങ്ങള്‍)
ലേബലുകള്‍: A DEMO KRACIA TAVA ALI À ESQUINA
2011, ഡിസംബര്‍ 1, വ്യാഴാഴ്ച
DOS DEMO CRATAS TECNOCRATAS DE 1ª e de 2ª CLASSE
HÁ OS SALVADORES DA NAÇÃO E DO MUNDO

QUE EXPIAM AS SUAS PENAS NA CRUZ TAL COMO CARLOS

OU NA PRISÃO SEM DIREITO A CHARUTOS E CONHAQUE

E DEPOIS TEMOS OS SEUS ASSECLAS TORCIONÁRIOS E O REBOTALHO OPOSICIONISTA

GENTE POUCO PRENDADA A QUEM METEM CHARUTOS POR OUTRAS ABERTURAS

COMO É BOM DE VER

VIVA O PRIMEIRO DE DEZEMBRO EM QUE SALVADORES NOS TIRARAM O JUGO FISCAL ESPANHOL

E O SUBSTITUIRAM POR UM DE PRODUÇÃO NACIONAL

ESQUECERAM-SE É QUE NÃO TEMOS CHETA


- Bombas ... (disseram os ocupantes)


Os feijões verdes gritaram e atiraram-se para a valeta de onde só saíram quando perceberam que eram bombas de bicicleta.
publicado por tstopps às 01:05

Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO