26
Jun 10
e enchi-o de palavras curtas, que as outras cansam e merdas destas e já vai um mês e tal e ainda não percebi como acabamos com estes amontoados de palavras
publicado por tstopps às 01:06

1 comentário:
Este blogue
Este blogue

quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010
Opinião: A cultura da borla, por Rui Zink


N.E.: texto publicado originalmente no jornal Metro.


A CULTURA DA BORLA,
por Rui Zink (*)


Querido Metro,


O caso Face Oculta não é nada, comparado com o caso Face Culta. No Face Oculta, o problema é um empresário ter distribuído dinheiro a rodos em troca de favores. No Face Culta, o problema é as empresas quererem favores sem distribuírem dinheiro nenhum. É que a cultura é a área na qual há a cultura de não pagar — não atribuir um valor — a grande parte do trabalho que se faz. Idas a escolas «falar com jovens», apresentações de livros, debates, conferências, leituras críticas, é toda uma indústria que vive da vergonha do dinheiro, dos «conhecimentos», dos «contactos», das «amizades». E, na sua face mais sórdida, do «uma mão lava a outra», a sugestão ignóbil de que, se dermos uma borla hoje, pode ser que amanhã nos atirem um ossito. Sei do que falo, porque chapinho nesta área há quase 30 anos. E eu próprio já cravei artistas — pode-se lá viver sem ter cravado artistas! Mas é feio. Todos os anos, dezenas de escritores vão graciosamente a centenas de escolas. E, se nunca nos sentimos explorados pelos professores ou pelos alunos, o mesmo já não direi do ministério, que devia ter uma verba para estas minudências. As televisões ainda são piores. Não há semana em que não chova um convite, o que é simpático, só que… Este é um caso de corrupção tão enraizada que ninguém dá por ele. E o pior é que não há nenhum Empresário Godinho a distribuir cheques! Se houvesse não estaria eu para aqui a jeremiar. Mas não, como «a cultura não tem preço», e o artista é de «pensamentos elevados», nicles cacau, népia pilim, nanja verdum. Isto depois é contagioso: incautos comerciantes que não oferecem nem um cafezinho (55 cêntimos) estranham que um escritor não lhes dê um livro (14 euros). Para já não falar de primos, vizinhos, amigos, jornalistas. Entrementes, o polvo lá vai cantando e rindo, fazendo ao mesmo tempo de corruptor e de PJ: «Se continuas a recusar-te a dar-nos borlas, pá, garantimos-te o anonimato.»


(*) Nascido em Lisboa em 1961, Rui Zink é escritor e professor no departamento de Estudos Portugueses da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, tendo também aí coordenado a pós-graduação em Edição de Texto. Autor de uma vasta obra ficcional traduzida em várias línguas, O Destino Turístico, publicado pela Teorema em 2008, é o seu romance mais recente.
-
prunka a 26 de Junho de 2010 às 20:57

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25

27
28
29
30


tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO